Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Antes de ir, antecipei os três grandes momentos da viagem: Delfos, claro, pelo poder “mágico” do sítio; o Parténon que, só por si, valeria uma visita à Grécia, e Delos. Só que de Delos eu sabia muito pouco. Hoje, é uma ilha-museu. Vai-se de barco e tem que se sair de lá, algumas horas depois, quando o último barco deixa a ilha e esta “fecha”. Tal como na antiguidade, ninguém lá nasce, ninguém lá morre. Chegou a ser proibido. 

Uma das razões pelas quais Delos é tão especial tem a ver com o facto de ficar mais ou menos no meio daquilo que se chama as Cíclades. O conjunto de ilhas que se dispõem de forma circular à volta de Delos. Mas claro que a mitologia é sempre mais atraente: foi ali que nasceu Apolo (e a sua irmã Artémis). O que é realmente interessante neste lugar onde nasceu o deus do Sol é precisamente o sol. Todos os guias avisam que ele é forte. E parece que os próprios estudos científicos confirmam: ali, os raios desol incidem de forma particularmente intensa. Bom, isso não facilita a visita. Para além de não ser fácil manter os olhos abertos, o calor pode tornar-se insuportável.

Quando se chega, começa-se logo a perceber que o complexo é enorme. Creio que só em Pompeia é que estive num sítio arqueológico tão grande

Para um dos lados, é a zona residencial. Delos chegou a ser uma grande cidade, muito importante como entreposto comercial, com destaque para o tráfico de escravos.

Para o outro lado, fica a parte mais fascinante, a dos santuários.

Estes são os famosos leões que guardam o local onde nasceu Apolo (onde está a palmeira):

Outro ícone de Delos:

A ilha é muito pequena e vê-se nas poucas horas em que lá se pode estar. Os barcos levam os truristas e levam-nos de regresso a Mykonos. Não se pode ficar na ilha. MEsmo assim, já não é mau. Na antiguidade o local era tão sagrado que não se podia nem nascer nem morrer em Delos...

Há um pequeno monte, cuja paisagem é extraordinária. Fui lá mas não consigo descrever nem quero mostrar fotos, é uma experiência demasiado forte, demasiado íntima.

De volta a Mykonos, pude ficar a contemplar Delos. Mas lamento não ter palavras para explicar melhor o que é lá ter estado. E refiro-me em especial da Delos, mas também a toda a viagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags