Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Depois de cerca de 15 dias de estrada, era tempo de parar e visitar algumas ilhas. As desta viagem são ilhas muito especiais.

Poros - uma ilha minúscula que está tão perto da costa que se passa para lá em 5 minutos. Ainda assim, um local que inspira um passeio descansado e alguns banhos magníficos. Há poucos sítios onde eu tenha estado tão pouco tempo e me tenha sentido tão encantado.

Captura de tela 2015-09-14 23.38.15.png

 

   

Spetses - mais uma ilha pequena que se circunda de moto 4 em cerca de 1 hora. Praias fantásticas e a experiência de estar numa ilha onde há quase nenhum carro e poucas motas.

Captura de tela 2015-09-14 23.39.37.png

 

 

 

 

 

Hydra - um dos meus sonhos era estar aqui. Hydra é indescritível. Não há carros, não há motas, não há bicicletas! Ali só se anda a pé, de burro ou de barco. Não há nada que eu possa mostrar que explique o que é passar um dia assim (e a pena de não ter mais tempo).

Captura de tela 2015-09-14 23.40.30.png

 

DSC_2003

DSC_2047

 DSC_2035

 

DSC_2052

 

DSC_2070

 

DSC_2120

 

DSC_2137

 

DSC_2155

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Captura de tela 2015-09-14 23.09.40.png

Quando se está num local onde se pode ver Argos, Micenas ou Epidauro é difícil descobrir ainda mais motivos de interesse. Mas não é verdade.

Acho que nunca tinha ouvido falar de Tyrins que, ainda por cima, é património da UNESCO. Uma notável cidade onde, como em poucas, se consegue perceber a grossura de uma parede.

DSC_1692

 DSC_1689

 E Argos lá ao fundo, no cimo de um monte, a despertar a vontade de lá ir. Infelizmente, é terrivelmente feia.

DSC_1691

 

Já Mycenas é ainda melhor do que imaginara. A cidade de Agamemnon e de Clitemenestra tem imenso para explorar, um belíssimo museu e os incríveis túmulos.

Captura de tela 2015-09-14 23.11.11.png

 DSC_1702

 DSC_1726

 DSC_1732

 DSC_1733

 

DSC_1730

 

DSC_1751

 DSC_1760

 

DSC_1776

Depois, outra cidade que não conhecia, Nafplion. Desta vez, não se trata de ruínas, trata-se daquela que foi a primeira capital da Grécia moderna. Tem um centro muito bonito com uma atmosfera de ilha grega. É uma espécie de Cascais para os Atenienses que vão muito para lá passar o fim de semana. Tem excelentes locais para nadar e vale bem a pena ficar lá duas ou três noites para explorar a região.

Captura de tela 2015-09-14 23.12.06.png

DSC_1919

 DSC_1946

 DSC_1935

Como, por exemplo, Nemea que tem ruínas mais interessantes do que se poderia pensar à partida:

DSC_1800

Finalmente, outra surpresa: Epidauro é um sítio fascinante. Estar neste teatro é arrepiante pela famosa acústica (houve uma altura em que algumas pessoas bateram palmas e a forma como o som nos envolve é impressionante) mas há muito mais, é um enorme sítio arqueológico com imenso para ver.

Captura de tela 2015-09-14 23.27.42.png

 DSC_1861

 DSC_1865

 

DSC_1895

 

DSC_1888

 DSC_1871 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Captura de tela 2015-09-13 22.33.30.png

 Há lugares que têm uma personalidade muito própria. A Grécia é um deles, mas também é um daqueles onde muito do autêntico se rendeu ao “mainstream”. Embora continue a achar que fazer o óbvio é indispensável e altamente compensador, nunca deixei de procurar uma parcela de viagem que se afaste daquilo que está absolutamente “turistificado”. Viajar pelo Peloponeso já foi um pouco essa experiência: a região é visitada por hordas de turistas mas que lá vão em excursões que ficam uma noite ou voltam para Atenas no próprio dia. Andar por lá durante duas semanas não será um percurso típico, mas tem interesse passar por todos esses lugares das excursões. Minimiza-se viajando em adiantado setembro e tenta-se fintar os grupos andando mais depressa ou devagar.

Isto tudo serve para dizer que, de vez em quando, a viagem nos oferece aquilo que pedíamos sem que desconfiássemos. O Mani, que eu já vou explicar o que é, deu a esta viagem uma ponta de isolamento, de desconforto, até. Mas o Mani tornou-se um dos locais da Grécia onde mais me congratulo por já ter estado.

Curiosamente, o Mani começou, pelo nosso itinerário, com uma visita a Kalamata, um dos sítios mais desinteressantes de toda a viagem  e foi-se constituindo como uma excelente introdução ao que viria depois, a muito desejada Esparta, uma cidade que é um vómito, é certo, mas onde não poderia deixar de passar.

O Mani é uma espécie de península no Peloponeso, ou um dos “dedos” na parte sul. A configuração peninsular, e provavelmente a proximidade com Esparta, foram dando à região uma fama de ser terra de gente fechada, com uma natureza mais belicosa e muito pouco dada a regras (nesse particular, não vejo diferença com o resto dos gregos). Se tudo isto é subjetivo, e se as “organizações” de estilo mais tribal que por ali parcem ter proliferado já não são algo que possamos ver hoje em dia, há um elemento muito curioso na arquitetura. As casas são construídas em forma de torres, como se se tratassem de pequenos castelos. Claro que parte daquilo já é uma construção forçada mas, não obstante, ter como caracterísitica de uma região que as cassas sejam como castelos deixa pistas interessantes sobre o como ela é, ou melhor, como deve ter sido.

 

DSC_1350

 Claro que não é de espantar que agora sejam os hóteis que também são construídos como se fossem torres. Fiquei num desses, embora não tivesse percebido nada disso quando o reservei. Foi então que a viagem se encarregou de me compensar, e simultaneamente castigar, por ter resolvido ir ao Mani. No hotel, que era mais uma espécie de quinta com várias torres e cada delas tinha dois apartamentos para os hóspedes, um em cima e outro em baixo, não havia mais ninguém. Na verdade, nem sequer a pessoa que nos recebeu lá ficou. Portanto, de repente, estávamos sós num apartamento numa quinta enorme com um portão aberto, no meio de uma estrada onde não havia mais nada que se vislumbrasse, nem para trás, nem para a frente. A última terra “civilizada” por onde tínhamos passado fora já há uns bons quilómetros e, como era preciso comer, resolvemos sair e ir em frente, talvez fosse mais fácil encontrar qualquer coisa. Não foi fácil, mas encontrámos, sim, em mais um local onde ninguém falava uma palavra de inglês (felizmente o menu estava escrito em inglês), numa espécie de casa particular com café/esplanada/restaurante em baixo. Bom, lá comemos e voltámos, pelo meio do nada, para a nossa quinta sem ninguém. Por um lado, adorei a sensação de isolamento mas, por outro, havia qualquer coisa de inquietante naquela calma solitária. Claro que tudo correu bem e, de manhã, lá estava a senhora a bater-nos à porta com o pequeno-almoço.

Nesse dia, era altura de ir ver aquilo que, no fundo, era a razão de ali estarmos, de o Mani ter valido uma paragem de uma noite no itinerário: as grutas de Diros. 

As grutas de Diros são uma experiência especial. Primeiro pela razão óbvia, fazem-se de barco, o que é, de facto, inesperado, pelo menos naquilo que eu sempre pude ver de grutas. Cumpro escrupulosamente as regras sobre a proibição de fotografar nos locais, desta vez, só desta vez, fi-lo apesar de ser proibido. Porque estar aqui a descrever a sensação de andar de barco numa gruta e ter que baixar a cabça constantemente para não bater no teto, não poderia ser a mesma coisa.

DSC_1385

 DSC_1397

DSC_1405

 DSC_1413

Deixando as grutas foi hora de rumar para o outro lado da península do Mani, com Gythio como destino. Esta é uma terra encantadora, sem nada de especial mas com excelente comida e muita praia ali por perto para dar uns mergulhos ao fim do dia. Ficará para a história uma sopa de peixe que não resisiti a provar. Comer sopa na Grécia (e noutro páises da Europa, diga-se) não é propriamente um hábito barato, mas tenho comido uma sopa de peixe em cada viagem/ano e esta foi uma das experiências gastronómicas mais estranhas que já tive. Estão a ver a nossa sopa de peixe? Aquela com imenso tomate e que sabe imenso precisamente a tomate? Então agora imaginem isso mas em versão limão. A sopa de peixe sabia incrivelmente a limão e, ainda hoje, não sei se gostei ou não, mas adorei experimentar e era capaz de o fazer de novo.

Deixar o Mani para trás custou. A sensação de que estivemos completamente fora dos circuitos turísticos foi impressionante e muito bem-vinda. Mas havia mais.

Captura de tela 2015-09-13 22.51.22.png

 Quanto mais leio sobre Esparta mais fascinado fico. Não é só de um ponto de vista positivo, é certo, porque quanto mais se explora Esparta mais se percebe o muito que eles tinham de horrível. Não obstante, a cidade era um dos sítios que eu estava mais curioso para ver, mesmo que todos os guias e sites me avisassem de que nada lá haveria que valesse a pena. O pior é que é verdade. As ruínas da antiga Esparta são mínimas, difíceis de interpretar e, basicamente, sem interesse nenhum. Vale o sítio, estar lá, perceber que foi ali. Mas há um problema, é que a nova Esparta está ali mesmo à frente e é tão profundamente desagradável que incomoda. A cidade moderna é bastante recente. Depois de ter sido completamente abandonada, foi depois da guerra da independência que a Grécia refundou Esparta, uma tentativa de reerguer o passado numa espécie de delírio nacionalista, bastante compreensível, até, depois de centenas de anos de domínio otomano. O problema foi que, apesar do planeamento até parecer ter sido rigoroso: planta ortogonal pura e exemplar, a cidade é repulsiva. Desde o ambiente às pessoas há muito pouco que se leva de positivo.

Ponto alto: ver a estátua do rei Leónidas que, ainda por cima, também desilude pelo tamanho e, claro, não é propriamente uma obra-prima.

 DSC_1513

 DSC_1517

 Já o Museu arqueológico vale bastante a pena:

DSC_1524

 

DSC_1525

Convém agora explicar, em minha defesa, que eu não arrisquei assim tanto indo a Esparta. É que, ali mesmo ao lado, há um lugar imperdível e aposto que 99% de quem passa por aqueles lados é para ir a Mystras.

DSC_1553

 

DSC_1529

 DSC_1542

 DSC_1544

 DSC_1551

 DSC_1538

 DSC_1556

 DSC_1571

 DSC_1574

DSC_1581

 DSC_1587

 

Trata-se de um conjunto  notável de edifícios bizantinos: igrejas, bibliotecas, castelos e palácios numa magnífica localização. Podia-se passar lá mais de um dia, parecendo que nunca mais acaba.

Captura de tela 2015-09-13 22.52.44.png

 Finalmente, a terminar a exploração do sul do Peloponeso, uma última pérola: Monemvasia. Foi um enorme desvio no itinerário que hesitei muito em fazer, mas teimei em lá ir e foi dos sítios mais encantadores. No fundo, trata-se de um rochedo, algo muito como Gibraltar. Mas de terra só se vê mesmo a rocha, quase não se adivinha que ainda há mais:

DSC_1449

Para mostrar, tive que tirar fotografias a postais. Assim, acho que já se percebe que do outro lado da rocha há uma vila.

DSC_1462

DSC_1470

Magnícamente emoldurada pelo mar e pela sensação de que estamos num local tão isolado como especial.

DSC_1487

DSC_1489

DSC_1501

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Captura de tela 2015-04-06 21.38.16.png

Num dia dedicado a algumas experiências singulares, a primeira começou com um Mosteiro, numa viagem onde eles haveriam de vir a ser protagonistas. É certo que o Mosteiro de Mega Spileo não parece nada de especial. Hoje tem uma aparência moderna e só impressiona pelo sítio onde foi construído (a cerca de 1000 metros de altitude). Mas parece que é o mais antigo mosteiro da Grécia, tendo passado por sucessivas destruições e reconstruções. Lá dentro, a gruta sagrada e a própria tranquilidade do sítio, tornam a visita mais interessante do que esperaria à partida.

Depois, a viagem continuou para uma visita à Gruta dos Lagos, a surpresa só foi a de ser ainda melhor do que eu esperava. Trata-se de uma belíssima gruta onde o gigantismo contrasta com os pequenos lagos que a vão enfeitando. Como não se pode fotografar só mostro, aí em baixo, as que tirei antes de saber. Não mostram nada da espetacular porque garanto que é daquelas coisas que só vendo. Mas dá para perceber a forma como a água é capaz de esculpir a pedra, moldando-a de formas inesperadamente belas e suaves. As visitas são guiadas (em grego, o que não ajuda a ter uma perceção muito clara daquilo que ouvi) e levam-nos a entrar na gruta, percorrê-la até ao fundo, em pontes, e a voltar para trás, no final. Não sei quanto tempo lá estive, talvez pouco mais de meia-hora, mas foi algo que nunca tinha visto. Mas de grutas, ainda haverá mais a dizer, daqui a alguns posts.

A tarde e noite foram passadas na bela aldeia de Dimitsana, onde uma fabulosa vista sobre as montanhas prometia que o dia seguinte, de passeios pelos vales, tinha tudo para correr muito bem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags