Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Durante muito tempo, hesitei na compra do Kindle. O grande motivo foi a parte de sublinhar e escrever notas. Há livros que só interessa “trabalhar” quando podemos escrever neles. Refiro-me mais a livros “técnicos”, aqueles que servem para aprender. Por outro lado, os romances também dão vontade de sublinhar – ou porque alguma frase nos chama a atenção, ou porque há alguma coisa que queremos rever mais tarde.

Por isso, um ereader tinha que me permitir fazer isto. Pensei em optar por outro, que não o Kindle, porque este não tem caneta. Há modelos que permitem escrever à mão.

Agora que tenho o Kindle, já percebi melhor como é que isto funciona. E devo dizer que funciona muito bem.

Um exemplo: tenho muita dificuldade, em alguns livros, em me lembrar dos nomes dos personagens. Isto pode ser frustrante quando se lê Agatha Christie e se chega ao fim sem perceber muito bem quem é o assassino… Bom, fora isso, tenho que, às vezes, andar com um post-it no livro para não me perder. Na versão Kindle é muito mais prático. O Kindle permite sublinhar e inserir notas. Ora, basta-me abrir uma nota, num sítio qualquer do livro mas, por conveniência, para as minhas lista de personagens faço-o no início, e depois, cada vez que aparece uma nova personagem, abro a nota e adiciono-a, com uma pequena descrição de quem é. O que é muito conveniente é que é muito simples aceder às notas. Com dois cliques lá estão elas. Ainda não experimentei mas este ficheiro, que reúne as notas e os sublinhados, pode ser passado para o computador. O que faz com que trabalhar citações ou transcrições seja muito mais prático.

Sublinhar também é muito simples. Basta mover o cursor ao longo do texto que se quer destacar. E fica registado no tal ficheiro, caso se queira ver fora do livro. Se não, basta abrir o livro e consultar o que se sublinhou.

Para além disto, há outra forma de destacar conteúdos, trata-se do bookmark. No fundo é o mesmo que dobrar o canto da follha num livro em papel. Adiciona-se um bookmark e fica desenhada uma dobra naquela folha. Através do tal ficheiro, é possível aceder, de forma rápida e prática, a todas as marcações.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Kindle é para ler livros, certo. No entanto, tem outra funcionalidade muito interessante – a leitura de jornais e revistas.

 

O melhor é assinar a revista. Para já, experimentei com a Time. Quando ligo o Kindle, de manhã, se for dia de sair a Time, ela simplesmente aparece automaticamente. Não tenho que ir comprar e paguei 3 dólares por mês pelo serviço (4 revistas).

 

Qualquer destas assinaturas é gratuita nos primeiros 14 dias. Por isso, agora ando a experimentar várias, para ver qual a que gosto mais.

 

Também subscrevi um jornal. Aqui a coisa é mais complicada, porque não consigo ter tempo para ler tudo o que o meu Kindle recebe. A ver se no fim-de-semana recupero.

 

De qualquer forma, há uma ajuda que ele me dá: a funcionalidade text-to-speech, um software que põe o Kindle a ler em voz alta. Assim, posso estar a ler uma revista e entrar no carro, ponho o Kindle a ler e vou a ouvir o resto do artigo. Posso escolher uma voz feminina ou masculina, bem como a velocidade de leitura. Claro que a voz tem o seu quê de artificial, no entanto, parece-me que é das melhores coisas que se conseguiram neste sentido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pois é, já tenho o Kindle, já li o meu primeiro livro e, para já, estou encantado.

 

Em primeiro lugar, o visor é espetacular. Ler no Kindle não é muito diferente de ler em papel. E é isso que faz toda a diferença. Até agora, não se podia pensar num ereader como uma verdadeira alternativa ao livro em papel, assim já o é. Para além de ser confortável, a possibilidade de alterar o tamanho da letra faz com que a ler seja mais fácil. Está menos luz, aumento o tamanho, tão simples quanto isso. Também já experimentei ler ao sol e correu lindamente.

 

Bom, mas, afinal, para que serve um Kindle? Serve para ler, pois claro. Aqui ficam algumas das vantagens face aos livros em papel:

            - posso ler enquanto almoço, por exemplo. Não é difícil pôr o Kindle à frente do prato e ficar a ler; quem tenta fazer isto com os livro, bem sabe como é difícil manter as páginas quietas…

            - posso fazer, em qualquer lugar, o mesmo que lá em casa: quando não sei muito bem o que ler percorro vários livros, abro-os ao acaso, vou explorando. Neste momento, tenho mais de 40 livros no Kindle (todos gratuitos) e, por isso, posso ir lendo o que mais me apetecer em cada momento

            - vou ler muito mais livros na língua original. Para já, inglês. Como o aparelho vem com um dicionário, é muito mais fácil. Qualquer dúvida, é só levar o cursor até à palavra e aparece a definição, em baixo, sem se sobrepor ao texto

            - comprar livros num minuto. Já aconteceu, acabei de ler o Twilight (sim, há anos que não lia um best-seller e este é bem… empolgante) e comprei, ali mesmo, num banco de jardim, o New Moon. Ao fim de uns segundos, estava a lê-lo

            - qualquer livro que eu queira, posso ler um pouco primeiro, é só pedir o sample e ele aparece no meu Kindle. Isto também é uma desvantagem, acho que vou gastar muito mais dinheiro em livros…

            - o Twilight ficou-me em menos de 8 euros; o New Moon pouco mais que isso. Poupei uns 10€, ou mais (em cada um), em relação à edição portuguesa em papel

            - livros grátis. É ir ao Projeto Gutemberg e são aos milhares.

 

Não obstante, não pretendo deixar de ler livros em papel. Nem percebo porque é que uma coisa implica a outra. Há uma série de detratores dos ereaders que costumam usar argumentos como “não há nada como um livro em papel”. Bom, posso concordar. Mas este argumento está ao mesmo nível que o das pessoas que comem carne, em relação aos vegetarianos: “não há nada como um bom bife”. A questão não é o fim dos livros, é apenas lê-los de uma forma mais prática, conforme aplicável. Por exemplo, não faz sentido ler um livro de história da arte num Kindle. Aí interessa folhear, ver as imagens, etc. O Kindle é fantástico para ler romances, texto corrido. Nisso, é muito mais prático do que um livro em papel. Se não gostarem, continuem a ler em papel. É uma questão de gosto, apenas isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A chegar...

13.07.10

Diz-me a Amazon que já vem a caminho...

 

Dentro de poucos dias vou ter um Kindle!

 

http://www.amazon.com/Kindle-Wireless-Reading-Display-Globally/dp/B0015T963C/ref=amb_link_340329822_2?pf_rd_m=ATVPDKIKX0DER&pf_rd_s=center-1&pf_rd_r=0PQ3RTFA8ZMRC2T199VP&pf_rd_t=101&pf_rd_p=1267053662&pf_rd_i=507846

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags