Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


2009

04.01.10

 

De 88 livros que li este ano (nem todos tiveram post), fica o balanço/destaque. Omeu 2009 em livros foi assim:

 

Gente Feliz com Lágrimas, de João de Melo

 

Continuo a pensar neste livro, de como me sentia feliz por estar a lê-lo. É raro e é bom.

 

O que diz Molero, de Dinis Machado

 

Aqui não se trata de sentir felicidade, é mesmo de rir às gargalhadas. Uma grande descoberta.

 

A Estrada, de Cormac McCarthy

 

Não é tanto o livro, é mais a escrita. Tão seca, brutal e contundente. Um autor a explorar mais, talvez já em 2010.

 

A Ponte sobre o Drina, de Ivo Andric

 

Outro que não me sai da cabeça. Um dos melhores livros que li. Só pode ter sido o melhor do ano.

 

Abril Despedaçado, de Ismail Kadaré

 

A descoberta de um grande escritor, confirmei-o depois com o Palácio dos Sonhos. Mas este Abril… o que mostra não é deste mundo. Ou é, e não se acredita.

 

A Portuguesa e Outras Novelas, de Robert Musil

 

Ainda não foi desta que li O Homem sem Qualidades. Não faz mal, enquanto houver Musil para ler, eu estou bem. Não que seja agradável, não que seja fácil. Mas porque há ali qualquer coisa, como estas histórias demonstram, que sai do que é normal conseguir meter-se nas páginas de um livro.

 

 

 

 

Para além dos livros, há autores que também li mas dos quais não me apetece destacar nenhuma obra em particular. Valem por si, basta que escrevam, eu quero ler: Pamuk, Coetzee e George Steiner.

 

E, finalmente, Saramago. Talvez só ele pudesse encontrar as palavras para explicar o que sinto quando leio os seus livros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

(leitura não aconselhável a quem não leu o livro)
 
A sensação que tive, durante algum tempo, bastantes páginas depois de ter começado esta estrada, foi a de estar a ver um daqueles filmes, tipo Gerry de Gus Van Sant, onde nada acontece, onde a câmara se limita a acompanhar os personagens na sua errância. E isto é dizer também que os meus olhos se sentiam como uma dessas câmaras, eu observava, via-os a andar de um lado para o outro, conseguia aperceber-me dos pormenores, das conversas. Faltava algo, algo a acontecer. De que se tratava? O que era este livro? Havia um homem e uma criança, pai e filho e, aparentemente, mais nada. As descrições dos locais por onde iam passando eram de pós-catástrofe, como se tivesse havido uma explosão que tudo tivesse queimado. Mas a escrita, essa, era extraordinária. E, por isso, como se estivesse a ver um filme, continuei.
 
Agora, já depois do fim da estrada, não posso dizer que sei muito mais do que antes. Houve algum tipo de catástrofe que destruiu tudo, há alguns sobreviventes e, entre eles, estes dois, o pai e o filho, sobre os quais se centra e concentra a narrativa.
 
Imagine-se então um mundo neste cenário. Tudo destruído, como se o planeta tivesse perdido quase todas as formas de vida, mesmo a vida vegetal ardeu ou está coberta de cinza. Neste contexto, em que o homem tem extrema dificuldade em encontrar alimento, é preciso ter cuidado com os outros homens, não há amizades, não há solidariedade, há apenas competição. Lembrei-me várias vezes do Ensaio sobre a Cegueira, na parte em que os cegos voltam à rua.
 
Ao longo da estrada, do caminho que percorrem em busca do mar, os dois protagonistas vão encontrando algumas outras pessoas. Com umas há interacções relativamente positivas, com outras há a fuga e o medo. Os dilemas que se vão colocando são intensos e perturbadores, os de sempre, quando o homem é deixado num estado de selvajaria. Em oposição à crueza e crueldade dos homens que se vêem como estranhos, há a relação entre o pai e o filho, mostrada através dos gestos, dos diálogos, do que fica por dizer, que se afirma como a única réstia de humanidade. Mesmo assim, capaz de provocar a destruição, quando colide com a existência de outros, fora dessa esfera.
 
McCarthy tem um estilo bastante contundente e muito visual, detalhadamente visual. Parece que há um investimento em recursos estilísticos que é bastante intenso no início do livro mas que vai abrandando com o desenvolvimento da narrativa.
 
A nota negativa é, para mim, o final. Num contexto em que é tão difícil chegar ao contacto com outros homens, onde é mais provável que nos queiram matar do que saudar, o rapaz da história, ao perder o pai, encontra de imediato alguém com quem ficar. Apesar de o diálogo entre ambos manter o interessante nível do resto do livro, a situação não pode deixar de parecer um pouco forçada. A verosimilhança perde-se mas, de qualquer forma, o objecto desta obra nunca foi falar do verosímil, centra-se mais no inevitável perigo que há quando os suportes sociais dos homens se desintegram mas estes continuam a viver. O homem como animal, pode ser a pior das bestas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags