Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Espinosa é capaz de ser um dos filósofos mais inacessíveis, pelo menos no que diz respeito a ler as suas obras. Quem passar pelas primeiras páginas da sua Ética vai provavelmente ter muita dificuldade em avançar. No entanto, o seu conceito de Deus é, na minha opinião, o mais realista, e até bonito, porventura o único que vale a pena aprofundar. Posto isto, é natural que tivesse alguma expetativa em relação a este livro e à possibilidade de o mesmo me conseguir dar umas luzes sobre o filósofo. Já aconteceu com os outros livros de Yalom, um sobre Niezstche e outro sobre Schopennauer. Em relação ao primeiro, que conhecia relativamente bem, tive uma leitura mais descontraída, mais de romance, mais de apreciar as possibililidades que a ficção abria a um homem, no mínimo, complicado. Schopennauer foi diferente porque não o conhecia nada bem e, por isso, o livro foi mais informativo, mas também menos intenso em termos emocionais.

Ponto de situação que é preciso referir: estes livros de Yalom são todos muito parecidos, em estrutura e em escrita. São, até, quase esquemáticos. Só servem para nos abrir o apetite para mais, mais filosofia, mais obras dos autores. Nesse sentido, são excelentes.

Voltando agora a este Espinosa. Apreciei particularmente as histórias paralelas e o autor explica logo no início porque é que as fez assim: por um lado, acompanhamos Espinosa na altura da vida em que é “expulso” do mundo dos judeus pelas suas opiniões contrárias à doutrina vigente. Por outro, acompanhamos, no século XX um terrível nazi - Alfred Rosenberg na sua ascensão ao poder e no desenvolvimento das suas ideias antissemitas, as quais se confrontam frequentemente com a figura de Espinosa.

No final do livro, como é hábito do autor, há uma nota explicativa sobre o que é ficção e o que é realidade. Recriar um Espinosa não é tarefa fácil e fica-se com a sensação de que houve um grande esforço de equilíbrio. Talvez seja dos vários romances de Yalom o menos empolgante, mas fica-me a sensação de que também é o mais ponderado e sério.

Autoria e outros dados (tags, etc)



calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags