Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Finalmente encontrei o Isherwood que desconfiava que existia. Não sei bem como explicar isto mas às vezes olha-se para um livro ou autor e tem-se a sensação de que há ali qualquer coisa. Depois de ter lido o Mister Norris Muda de Comboio fiquei com a sensação que tinha que haver mais e melhor. E encontrei. Este Encontro à beira-rio tem uma estrutura estranha mas que acaba por ser bastante entusiasmante. Tudo começa com uma carta de Oliver para o seu irmão Patrick, a contar-lhe que está na Índia e vai tornar-se monge. Depois Patrick responde e Oliver acaba por contar mais pormenores de como chegou a esse ponto (de conversão). O “diálogo” prossegue e, a certa altura, mistura-se também o diário de Oliver e o leque de destinatários das cartas vai aumentando. Algumas cartas lançam uma linha narrativa que prossegue e se desenvolve de formas bastante inesperadas (pela riqueza de acontecimentos em tão pouco tempo). Há personagens que nunca falam porque são apenas destinatários das cartas mas, ainda assim, acabamos por saber muito mais sobre eles do que seria de esperar. Por vezes, os mesmos acontecimentos são relatados com versões bem diferentes, consoante a pessoa a quem a carta é destinada. E acabamos por perceber que, se calhar, quem menos sabe até somos nós que temos acesso às múltiplas versões.

A escrita de Isherwodd é tão simples que se torna bela (acho que tenho que o ler em inglês) e, neste livro, fiquei com a sensação de que está tudo no sítio, não há nada desequilibrado, não há nada errado, até porque há imenso do próprio autor (isto é uma desconfiança minha mas quem segue o blog do Miguel - um voo cego a nada, acaba por saber umas coisas sobre o Isherwood). Ou seja, há contradições, há dúvidas, há decisões inconcebíveis, há fraquezas, há oportunismo, há tudo como na vida, e isto em tão poucas páginas que só lamento não ser este um romance muito maior.

 

Para além do valor literário há um outro aspeto interessante neste livro: o confronto entre uma certa forma de estar mais ocidental e as tradições da Índia. Os dois irmãos representam, de certa forma, estes dois mundos, e acabam por nos guiar numa pequena viagem por outras paragens (e outro tempo) que torna o livro ainda mais interessante. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De numadeletra a 02.08.2014 às 07:59

Acho que já te disse que tenho uma certa curiosidade em ler este autor.
Talvez comece por este livro.

De pedrices a 04.08.2014 às 15:02

A não ser que não tenhas visto o Cabaret (filme), nesse caso, devias começar com o Adeus a Berlim , digo eu...

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags