Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Mais um texto comemorativo dos 5 anos do pedrices.

Desta vez deixo aqui um texto sobre uma das minhas maiores paixões, da qual acho que nunca falei – os Açores, em particular, o Pico. Não confundir com o Pico, o cão que, sim, tem esse nome por causa da ilha que, por acaso, também é nome de uma gata que tive. Confuso? Pois, acredito, mas é mesmo assim. Há muitos anos, tive a sorte de a minha turma do secundário ter sido escolhida para fazer um intercâmbio com uma escola açoriana, do Pico. Durante uma semana eles vieram cá e ficaram nas nossas casas, durante outra semana nós fomos lá e ficámos nas casas deles. Foi uma experiência incrível, cheia de emoções próprias da adolescência. No meu caso, ficou para sempre. Fui ao Pico nesse ano e já lá voltei várias vezes. No total, estive nos Açores 5 vezes (curiosa esta insistência do número 5 aqui) e só me falta visitar Santa Maria.

Não vou escrever muito mais sobre essa experiência porque me levaria a caminhos de demasiada saudade, talvez de algum sofrimento. Mas não posso permitir que o meu blog não tenha imagens dos Açores. Porque na altura não havia ainda as facilidades do digital vou só pôr aqui fotos da última viagem. Por isso, apresento-vos a minha última viagem aos Açores (2009):

Itinerário:

Lisboa – Horta (Faial) – Flores – Corvo – Horta (Faial) – Pico

 

Quando se chega ao Faial, é possível ver o Pico ao longe. Ele estava assim quando cheguei. O interessante aqui é poder ver-se o topo, o Piquinho, um sinal de que o visitante é bem vindo. Eu iria apanhar logo a seguir o avião para as Flores, o que me custou bastante porque me apetecia ir para o Pico de imediato. Mas, mesmo assim, ele saudou-me, aparecendo, como sempre fez nas 5 vezes que lá estive. O Pico nem sempre é fácil de ver e há quem passe dias nas ilhas sem que as nuvens o revelem uma vez que seja.

Prossegui então a viagem para as Flores. A ilha que eu mais queria conhecer e que só ao fim de 15 anos consegui, finalmente, visitar. Não tenho uma foto que lhe faça justiça, nem acredito que alguém possa ter.

Quem vai às Flores, dificilmente resiste a um salto ao Corvo, a ilha minúscula que, no entanto, tem um dos maiores tesouros dos Açores, o Caldeirão. Não tive foi a sorte de o ver sem nuvens...

A ilha seguinte foi o Faial. Aqui o destaque é óbvio - o Vulcão dos Capelinhos. Desta vez com a novidade, para mim, de ter um museu (debaixo da terra - aquitetonicamente exemplar) fantástico.

Finalmente, o Pico, a minha paixão eterna. Deixo-o falar por si.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags