Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Foz Côa

21.06.13

A vida, pelo menos a minha, é feita de viagens permanentemente adiadas. Pelo meio, há as que são feitas. Mas as viagens são como os livros: tantos destinos, tão pouco tempo. Também são como os livros porque se encavalitam umas por cima das outras para serem a próxima escolha. Também as prioridades mudam constantemente, também uma pode afetar as escolhas consolidadas de há muito e pôr tudo em causa.

Visitar as gravuras de Foz Coa tem sido uma dessas viagens sempre adiadas. E esta tem menos desculpa que as outras. É perto. Até já vivi bem mais perto de lá do que agora. Mas só há uns dias lá fui. Parace que em boa altura porque assim pude ver o Museu e fazer uma visita guiada em que se vai de jipe (pelo que me contaram as pessoas que lá foram, há uns anos não era assim).

O primeiro passo foi, portanto, visitar o Museu do Côa, magnífico exemplo de arquitetura que se integra no espaço, pelo menos quando estamos junto a ele. De longe, é capaz de não agradar a todos. Mas, adiante, nem tudo pode ser como o Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos (Faial, Açores), o qual foi “enterrado” debaixo das cinzas do vulcão que tenta explicar, ficando assim como que invisível.

 

 

Alguns pontos expositivos merecem destaque:

                - a apresentação de vestígios em torres de vidros que funcionam como “camadas cronológicas”

                - os desenhos técnicos em luz, permitem-nos ter uma noção mais precisa das figuras, facilitando imenso a tarefa de as identificar posteriormente nas pedras

                - as pedras que se podem ver com lupas enormes

                - a simpatia de um funcionário que veio ter connosco e se pôs a fazer-nos quase uma visita guiada, o que a tornou muito mais interessante

 

Depois de ver o Museu a vontade de ver as gravuras aumenta, claro. Mas não é logo ali, nem logo a seguir. Para se ver as gravuras é precisar sair do museu e percorrer alguns quilómetros, até chegar a um ponto de encontro na aldeia de Castelo Melhor. É daí que se vai de jipe para o local onde estão algumas gravuras. Pelo que percebi há três visitas que se podem fazer. A minha foi a das 16h à Penascosa. Há também uma visita noturna. Fiquei a saber que os estudiosos analisam as gravuras à noite, com os holofotes a incidir nelas parece que é a melhor forma de ver.

O que é fascinante nestas gravuras é que, na verdade, à primeira vista elas são apenas os tais rabiscos. Mas, com a ajuda da guia, e com o que aprendemos no museu, foi possível começar a ver os traços distintivos de algumas figuras. Não se sabe bem porquê mas os desenhos eram feitos uns a partir dos outros. A mesma linha pode servir de base a um cavalo de um lado e outro do outro.

A nossa guia, com uma vara, ia-nos mostrando os contornos das figuras. Era como que uma varinha mágica que, passando à frente da pedra, ia fazendo com que as figuras surgissem perante nós. O sentimento de começar, finalmente, a vislumbrar qualquer coisa é quase infantil. E tem o seu quê de emocionante.

O problema disto é que quero mais. Não é só em Foz Côa que muito ficou por ver. Uma nova viagem se anuncia ou, pelo menos, uma nova intenção: fazer um dia a rota das figuras rupestres Côa - Altamira - Lascaux - Chauvet. Espero um dia escrever um post sobre isso, significará que o fiz.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

De Lídia Alves a 24.06.2013 às 16:43

Parece-me que a viagem foi interessante e ficou entusiasmdo para de imediato planear novas viagens. Obrigada por partilhar conhecimento.

De Vespinha a 26.06.2013 às 21:32

Parece que o recinto e os centros de apoio estão bem melhores do que quando lá fui, há uns 6 ou 7 anos...

De pedrices a 28.06.2013 às 13:41

Sim, é o que me tem dito quem lá foi há uns anos.

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2013

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags