Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Este texto revela alguns aspetos da história. Embora sejam dados históricos, caso se queira ler o livro sem informação prévia, não aconselho a leitura. Podem saltar, com segurança, para os dois últimos parágrafos.

 

Não consigo deixar de sentir que, de certa forma, estou em dívida para com o Steven Saylor. Não escrevi nada sobre o livro Roma que li há uns anos, nas vésperas de uma viagem a Itália. Não o fiz precisamente porque fui de férias logo a seguir e depois passou o tempo.

Mas o que li agora foi a continuação desse livro. Ou seja, Roma conta a história da cidade ao longo de várias gerações, desde antes da fundação até à morte de Júlio César (cerca de mil anos). Império continua a história, desta vez centrando-se na história dos imperadores (de Augusto até Adriano, cerca de 130 anos).

Para conseguir contar esta história com um fio condutor, Saylor “criou” uma família que é quem vamos acompanhando ao longo das gerações que se vão sucedendo. E é na interação dos protagonistas desta família com os acontecimentos históricos, que vamos avançando na narrativa.

Império é um livro empolgante. Só podia. Os ingredientes são os melhores: o imperador Cláudio, meio idiota, que é enganado pelas suas esposas e envenedado pela última; Calígula, o louco que se declara deus e comete atos tão humilhantes e degradantes que é difícil ler; Nero, outro imperador maldito mas a quem Saylor dá um tratamento dúbio que é interessante mas, suponho eu, bem capaz de gerar polémica; Domiciano, talvez ainda mais terrível e nojento que Nero e Calígula… Bom, e isto são as figuras. Os acontecimentos são ainda piores, as descrições de torturas, da aplicação de tratamentos degradantes, nomeadamente na inauguração do Coliseu, obrigaram a que me encolhesse váris vezes e tivesse que parar um bocado. Mas nunca senti que Saylor escrevesse isto de forma gratuita. É que o império romano também era isto. Já visitei o Coliseu uma vez e, quando voltei a Roma, não quis lá ir novamente. Porque era precisamente o local onde havia espetáculos abjetos que, felizmente, não fazem já sentido por estes lados. Mas existiram. E conhecer a história de Roma é também conhecer isto. Se Saylor dá demasiado destaque a isso? Talvez. Mas não creio que o livro perca mérito por causa disso.

Para quem sabe muito sobre a história de Roma, talvez sejam romances inevitavelmente incompletos. Será impossível não contestar algumas das soluções encontradas pelo autor (a amizade entre Trajano e Adriano é demasiado efeminada e parece pouco convincente), e especialmente concordar com todas as suas escolhas e omissões. Mas o trabalho é de fôlego e merece alguma tolerância. Para quem sabe pouco, pelo contrário, talvez o livro apresente informação a mais. Também este resultado é inevitável.

Feita as (minhas) contas, adorei ler este Império. E espero que ainda haja um terceiro volume porque poucas histórias são tão fascinantes como a de Roma.

Uma última palavra para o lado “literário”. Não é de forma alguma um grande livro - é um livro eficaz, escrito de forma escorreita e simples . Quem quiser ler grande literatura a propósito do tema, tem nas Memórias de Adriano, de Yourcenar, o melhor exemplo do que é o romance histórico enquanto obra de arte. Vou ter que o reler, absolutamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)



calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags