Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

(a leitura deste texto, sem ler o livro, prejudica gravemente a fruição da história)

 O meu fascínio por Pamuk é, agora, completo. Comecei com A Vida Nova (a ver se um destes dias escrevo alguma coisa sobre esse), passou depois para Neve, que anda por aí, num dos primeiros posts, e cheguei agora a esta casa.

 Antes de mais, a estrutura deste romance é rica e complexa, com múltiplos narradores, que nos permitem uma visão invulgarmente completa daquilo que se vai passando e, especialmente, daquilo que já se passou.

 No primeiro capítulo o narrador é Redjep, um anão que, pelo que vamos percebendo, trabalha como criado para uma senhora mais velha, Fatma, que nos aparece como a narradora no segundo capítulo, no qual ficamos a saber que tem 90 anos e muita coisa para contar. Depois, é Hassan, um jovem fascista que se entrega a actividades como ameaçar lojistas para que estes financiem o movimento a que pertence, fortemente anti-comunista que, no terceiro capítulo, toma o lugar de narrador. Nos quarto e quinto capítulos são Faruk e Metine, netos de Fatma, de visita à avó, que nos narram a história.

 A partir daqui estes narradores vão-se revezando, um por capítulo, construindo e revelando uma complexa teia onde cabem todos os extremismos, desde o religioso ao político, passando pela revelação de um passado cheio de nódoas e de segredos.

Não é fácil entrar na história, pelo contrário. Durante muito tempo o leitor navega à deriva, tentando adivinhas as relações que se vão estabelecendo subtilmente. Na verdade, até ao fim, há sempre algo de novo para descobrir. Essas pequenas descobertas mantêm ainda mais vivo o interesse e proporcionam uma leitura invulgarmente enriquecedora.

Pamuk consegue, com vários estilos de escrita, dar-nos a conhecer, mais uma vez, uma parte da história da Turquia e várias partes das histórias destas pessoas. Assim como o país é uma encruzilhada de influência, também a vida destes personagens se encontra encravada por diversas circunstâncias. Algumas revelações são chocantes, a forma como se vê um personagem pode, até, mudar radicalmente em alguns momentos de revelação ou viragem.

Fatma é viúva mas o seu falecido marido aparece como um personagem fundamental. Enquanto que esta mulher se dissolve na sua própria solidão, alimentando os seus ódios, preconceitos e imobilismo, retrato fiel de parte da sociedade turca, por outro lado, ao recordar o seu marido, deparamo-nos com uma face contrária da Turquia, a da entrega incondicional e, também irreflectida, aos valores europeus. Veja-se o pessimismo de Fatma em: “(…) eu dizia para mim própria que o mundo era belo, mas não passava de uma criança, era estúpida.”, ou em: “se eu não existisse e já não existisse ninguém, os objectos ficariam onde estão (…)”. Note-se também o pouco valor dado aos livros e às palavras que Redjep ilustra com “(…) e eu repetia para mim próprio que, afinal, se tratava apenas de palavras, de uma nuvem de sons que se dissipam mal são emitidos!”. No entanto, o contraponto do falecido surge em trechos como “(…) é a coisa mais bonita que há neste mundo, ler e aprender, porque há tantas coisas a fazer, não é verdade? (…) se tu leres, se o teu espírito despertar, perceberás um dia tudo o que há a fazer na vida, e são tantas coisas!”.

Já Hassan, serve para mostrar o fundamentalismo nacionalista, capaz de se apaixonar tanto por uma mulher que acaba por espancá-la por ela ser comunista.

A diversidade de estilos, a multiplicidade de pontos de vista e a veia de contador de histórias de Pamuk, fazem deste livro o melhor para nos iniciarmos na exploração da obra deste autor.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2008

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags