Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



The Cure no Optimus Alive 2012

Pronto… aconteceu… Aquilo que eu julgava irrepetível voltou a acontecer. Como se, afinal, a água pudesse correr duas vezes por baixo da mesma ponte, os Cure deram no Optimus Alive um concerto tão bom como o do Atlântico, em nome próprio, em 2008.

Antes de mais, deixem-me esclarecer: não há grande coisa de objetividade nesta opinião. Não há nada, para mim, que se compare a Cure, em termos musicais (deixemos a música "clássica" de fora disto, ok?). Por isso, assumindo a parcialidade, aqui fica a minha impressão sobre o concerto.

Ao contrário do que eu pensei e escrevi aqui, o alinhamento não foi o Open - End (o que tem o seu quê de positivo porque começar com um “I really don’t know what I’m doing here, I really think I should have gone to bed tonight” e terminar com “Stop loving me, I am none of these things” deixa sempre um certo desconforto, embora seja exatamente isso que torna a música deles tão especial para mim). Mas teve surpresas e momentos inéditos nesta digressão.

Tudo começou com Plainsong, uma das músicas mais atmosféricas dos The Cure, e uma das que melhor mostra aquilo que eles são. E, em especial, o que são ao vivo. Com passagem direta para um clássico, e uma das músicas mais intensas, Pictures of You. Estava montada a atomosfera, era um concerto de Cure. Esqueçam a parte saltar, gritar, cantar. Há tudo isso, claro. Mas essa não é essência de um concerto deles. Concertos que duram 3 horas vivem de muito mais do que isso.  Mas afinal, era também um festival e, portanto, havia que dar alguns brindes ao público menos conhecedor. Depois dessa introdução belíssima começou a parte mais festivaleira com Lullaby, na melhor interpretação que já vi (o youtube tem lá um vídeo da RTP que mostra). O Robert está numa forma invejável. A banda toca magistralmente e a voz está ao mais alto nível (embora o som tenha tido problemas que às vezes faziam com que não se ouvisse). O primeiro grande momento a nível pessoal foi com High, isto porque foi a primeira vez que a ouvi ao vivo e, ao longo dos anos fui começando a gostar mais e mais desta pequena pérola. The End of the World foi, na minha opinião, a primeira das dispensáveis. De qualquer forma, funciona relativamente bem ao vivo e tenho impressão que o Robert gosta mesmo de a cantar. Lovesong é outro clássico, uma canção intemporal e sempre muito bem recebida. E depois foi a minha outra estreia da noite - Mint Car. Já aqui o disse e repito: é uma música parvinha mas irresistível, e eu estava louco para poder cantar isto: 

(…) I'm so happy I could scream

And there's nowhere else in the world I rather be

Here with you it's perfect

It's all I ever wanted

(…)

I really don't thing it gets any better than this

Bom esta última frase não é bem verdade. Eu esperava que ficasse muito melhor. Aliás, eu ainda estava à espera que se passasse à fase seguinte… Mas ainda não. Push, In Between Days e Just Like Heaven deram continuidade ao alinhamento festivaleiro e serviram para se perceber porque é que uma banda tão antiga ainda faz sensação neste tipo de eventos. São músicas irresistíveis.

Mas os Cure sabem bem que o seu público não está lá só para ouvir aquilo. E que há uma outra faceta da banda, a mais intensa, a mais interessante, aquela que faz com que a música deles seja o que é. Já tinhamos tido a introdução com Plainsong mas, agora, tinha chegado o momento: From the Edge of the Deep Green Sea (é só a música da minha vida) - Trust (se esta música não existisse talvez eu não tivesse estado neste e nos outros concertos, foi com ela que comecei a interessar-me por eles) - Want (I want blood instead of rain…), uma sequência em que os festivaleiros começaram a ir embora e os Cure começaram a agigantar-se, musicalmente falando. E estas não são ainda as melhores. Porque o alinhamento está construído para ir dando para toda a gente. Por isso, depois destes momentos mais instrospetivos, a música voltou a ser mais popular. The Hungry Ghost, Wrong Number (porque é que eles insistem em tocar isto?...), Bananafishbones (outra estreia para mim… não pensei que soasse tão bem ao vivo, mas era dispensável), The Walk (outro clássico, numa versão um pouco diferente mas que resulta bem), Sleep When I'm Dead (ok, pronto, também não era preciso, mas aceita-se), Friday I'm in Love (tenho mesmo que levar com ela, não é? Pronto, ok, ao vivo também salto e fico sempre surpreendido por saber a letra quase toda… Mas porquê? Eu quase nunca ouço isto…), Doing the Unstuck (um dos momentos menos inspirados do Wish, mas não é má para tocar ao vivo). E pronto, chega de festival, voltemos à música a sério - Play for Today (público fraquinho, fraquinho… num dos raros casos em que se canta um oooohhh, ooooohhhh, mas é só para quem sabe), A Forest (as décadas passam mas esta música é eterna), Primary (the more we grow, the less we show. Não, não é verdade, no caso deles) , One Hundred Years (it doesn't matter if we all die…), Disintegration (quando vejo o Robert num palco a cantar algo como: now that I know that I'm breaking to pieces, I'll pull out my heart, and I'll feed it to anyone… crocodiles cry for the love of the crowd, há algo que se quebra dentro de mim), uma sequência para os fãs de sempre, uma sequência arrasadora para quem gosta de Cure. Acho, aliás, que nunca se devia tocar nada a seguir ao Disintegration. É mesmo preciso um intervalo (ou como se diz no FTEOTDGS - I wish I could just stop, I know another moment will break my heart)

E pronto, concerto fechado, vamos aos encores.

Felizmente, tivemos direito ao The Same Deep Water as You. Para mim, o momento mais belo e intenso do concerto (I will kiss you forever, on nights like this).

O segundo encore também foi popular mas com êxitos mais antigos. Por esta altura, ainda mais festivaleiros tinham ido embora, por isso, já estava muito mais lá à frente. Mais uma estreia para mim -Dressing Up, que confrmou novamente o grande momento do Robert (e íamos com quase 3 horas de concerto). The Lovecats, The Caterpillar (haverá música mais fantástica que esta, no lado mais "divertido" dos Cure?), Just One Kiss (uma pérola antiga que eu tinha esquecido e que foi recuperada nesta digressão), Close to Me (Robert, Robert, é quando danças assim que tudo aquilo que és como ícone se revela, e eu percebo quão fundo a tua imagem está em mim), Let's Go to Bed (por esta altura o Robert já não parece o mesmo músico introvertido; continua a parecer tímido, mas está claramente a festejar connosco), Why Can't I be You? (quando se chega aqui já parece que estamos numa festa privada de velhos amigos).

E, de repente, aconteceu algo que eu nunca vi: o Robert começa a falar com o público, mas mesmo a sério, a perguntar se queriam ouvir uma "slow song ou uma fast song". Foi mais ou menos assim:

- Do you want a slow song?

(público grita)

- Or a fast song?

(público grita ainda mais)

- Just in case I misunderstood, a slow song?

(público grita)

- Or a fast song?

(público grita ainda mais… a fast song gannhou mas...

Or a fast song and a slow song?

(e, pronto, parece que toda a gente optou por esta)

Quem está habituado aos Cure ao vivo sabe que isto não é normal. O Robert é bastante introvertido e uma momento como este, para mim, é completamente inédito. E não ficou por aqui. Ainda explicou que iriam então tocar uma "fast song" e que o mais "slow" ficava para depois. Quem quisesse sair depois desta "fast" que estivesse à vontade. E então, como em quase todos os concertos, tocaram Boy Don't Cry para  a loucura geral e final do concerto normal…

Mas depois voltaram ao palco. E, pelos vistos, tiveram dificuldade em selecionar a tal "slow" song. E recompensaram quem ainda ali estava com uma canção tirada do fundo do baú, a espetacular 10:15 Saturday. E, como se já não bastasse, tocaram outro clássico pela primeira vez nesta digressão - Killing Another  (música inspirada em O Estrangeiro de Camus, autor sobre o qual, por acaso,  tenho um post para colocar aqui no pedrices).

E acabou. Tal como em 2008, 3 horas de concerto. Uma banda com uma forma notável, num concerto muito acima daquilo que eu poderia ter imaginado. Já vi os Cure duas vezes em festivais e vi-os também no Atlântico. Amei cada concerto com toda a devoção que tenho pelos Cure. Mas não há qualquer comparação possível entre os festivais e o concerto do Atlântico. Até agora! É que este foi tão bom como esse. E o que é melhor: é que em 2008 e em 2012, os Cure estão muito melhores e muito mais em forma do que estavam há 10 anos. Por isso, continuo à espera de os voltar a ver. E a ver se é dessa que vejo o The Figurehead ao vivo.

Drip, drip, drip…….

Resumo do alinhamento para quem não tiver paciência para o texto:

 

1- Plainsong

2- Pictures of You

3- Lullaby

4- High

5- The End of the World

6- Lovesong

7- Mint Car

8- Push

9- In Between Days

10- Just Like Heaven

11- From the Edge of the Deep Green Sea

12- Trust

13- Want

14- The Hungry Ghost

15- Wrong Number

16- Bananafishbones

17- The Walk

18- Sleep When I’m Dead

19- Friday I’m in Love

20- Doing the Unstuck

21- Play for Today

22- A Forest

23- Primary

24- One Hundred Years

25- Disintegration

Encore 1

26- The Same Deep Water as You

Encore 2

27- Dressing Up

28- The Lovecats

29- The Caterpillar

30- Just One Kiss

31- Close to Me

32- Let’s Go to Bed

33- Why Can’t I Be You?

34- Boys Don’t Cry

Encore 3

35- 10:15 Saturday Night

36- Killing an Arab

 

E um apontamento pessoal. Os alinhamentos dos outros 3 concertos que vi de Cure:

7/8/1998 - Sudoeste

Shake Dog Shake

Fascination Street

A Strange Day

One Hundred Years

Kyoto Song

Pictures Of You

Just Like Heaven

Sinking

Lullaby

Wrong Number

Never Enough

Inbetween Days

From The Edge Of The Deep Green Sea

Cut

Disintegration,

E1: Friday I'm In Love, Boys Don't Cry, A Forest, 10.15 Saturday Night, Killing An Arab

 

4/8/2002 - Sudoeste

Out Of This World

Watching Me Fall

Want

Plainsong

Open

Trust

The Kiss

Shake Dog Shake

From The Edge Of The Deep Green Sea

End

Siamese Twins

One Hundred Years

39

Bloodflowers,

E1: Three Imaginary Boys, M, Play For Today, A Forest,

E2: Lovesong, Inbetween Days, Just Like Heaven, Boys Don't Cry

 

 

8/2/2008 - Lisboa, Pav. Atlântico

Plainsong

Prayers For Rain

A Strange Day

Alt.End

The Blood

The End Of The World

Lovesong

A Boy I Never Knew

Pictures Of You

Lullaby

From The Edge Of The Deep Green Sea

Kyoto Song

The Only One

The Walk

Push

Friday I'm In Love

Inbetween Days

Just Like Heaven

Primary

Never Enough

Wrong Number

One Hundred Years

Disintegration,

E1: At Night, M, Play For Today, A Forest,

E2: The Lovecats, Let's Go To Bed, Freakshow, Close To Me, Why Can't I Be You?,

E3: Boys Don't Cry, Jumping Someone Else's Train, Grinding Halt, 10:15 Saturday Night, Killing An Arab

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

De C. a 17.07.2012 às 12:26

Ao ler o post oscilei, já que desta vez não tive oportunidade de estar presente, entre uma profunda dor de cotovelo e o contentamento de saber que Robert Smith e companhia, as suas músicas, são geniais. Lá fui ao baú tirar as sensações de 2008 e terei de me contentar com o modo repeat no mp3.

Nota-Confesso que esta nuance "Killing an Arab" / "Killing Another" me causa algum desconforto.

De pedrices a 17.07.2012 às 14:35

Olá! Também a mim me causou desconforto. Fiquei sem saber o que pensar... Há uns tempos, aliás, fiquei chocado com alteração que se fez a um texto de Mark Twain. Pelos visto, a palavra que ele usava na altura é demaisado ofensiva nos dias de hoje... Acho um precedente terrível. Mas depois voltei a pensar nos Cure. E, neste caso, é o autor que faz a mudança e, por isso, creio que tem esse direito. Se é ele quem se sente desconfortável e resolveu deixar de cantar killing an araba, então, pronto, eu aceito. Não sei é se faria o mesmo.

E obrigado pelo comentário, a dor de cotovelo é bem vinda e justificável, eu sentiria o mesmo :)

De C. a 18.07.2012 às 10:12

Olá
Pelo que recordo resolveram cortar/substituir a palavra nigger ". Se a primeira reacção é soltar uma gargalhada pela parvoíce da mente que teve semelhante ideia, depois fica a sensação da gravidade desta opção. Descontextualizar uma obra literária para não ferir susceptibilidades é não só desrespeitar o próprio texto, bem como a época em que foi escrito. Negar determinados momentos da história, como a escravatura, a inquisição, ou o holocausto, mais não é que abrir precedentes para que se passe uma borracha na consciência colectiva e proporcionar uma regressão de mentalidades, "uma evolução deficiente", com tecnologias topo de gama e espírito crítico toldado por uma pretensa moral. enfim este seria todo um outro debate;)

Em relação a The Cure é o que disse causa-me algum desconforto, apesar de compreender que, e se no momento em que surgiu, inspirado em Camus, causou contestação, agora num mundo pós 11/09 até faz sentido, porque poderia servir de desculpa a mentes perturbadas. Ao terem tomado esta decisão demonstram uma consciência do que é não só a realidade, mas a mente humana e o seu lado mais abjecto. No fundo acredito que a Arte não se presta a ser desculpa de actos desumanos, está muito acima.

À conta desta discussão descobri que existe uma versão baseada em Melville-"killing an ahab", mas este admirável mundo novo que é a internet ainda não me permitiu aceder a mais que esta informação.:)

De pedrices a 19.07.2012 às 11:24

Isso mesmo, o "nigger", não me lembrava!... A falta de perspetiva histórica é uma coisa realmente perigosa. Começa nisto e acaba na repetição do que se esqueceu.
Bom, andei a ver umas coisas e, pelos vistos, até houve outra versão em que a música se chamava "Kissing an Arab", o que até me parece uma interessante ironia…
E, sim, encontrei uma referência a essa versão do "Ahab" de que nunca tinha ouvido falar. Parece que foi na Reflections Tour de 2011. Há vários vídeos no youtube mas é difícil perceber se ele está a cantar "arab" ou "ahab".
Obrigado! :)

De 222 a 17.07.2012 às 23:27

foi bom bom bom !!! "and i don't know anything to say even in english, so don't be frustrated..."

De numadeletra a 18.07.2012 às 20:38

Enquanto lia o teu empolgante artigo, fui ouvindo no YouTube alguns trechos do alinhamento do passado Sábado. Confirmei, uma vez mais, a certeza que tive quando soube que não podia lá estar: perdi um grande concerto!

Identifico-me com a grande maioria das tuas preferências musicais dos The Cure. Em contrapartida, adoro "Doing the Unstuck". Quando a ouço apetece-me sempre cantar e dançar. Este tema como que me transmite energia...

It's a perfect day for letting go
For setting fire to bridges
Boats
And other dreary worlds you know
Let's get happy!

De pedrices a 19.07.2012 às 11:26

Sim, especialmente ao vivo, uma pessoa fica bem disposta. Mas no contexto do Wish, é uma das mais fraquinhas...

Olha, quando houver outro, vens também, ok? Afinal, o Robert disse "see you again". E eu sei que ele diz sempre, e foi sempre verdade :))

De numadeletra a 19.07.2012 às 14:58

Vou sim, Pedro. Fica aqui prometido!

(Ele volta... tem público muito dedicado, como nós :-).

Já viste o "This Must Be The Place"?
Vi-o no encerramento do Fantasporto.

De pedrices a 20.07.2012 às 13:09

Não vi ainda. Que tal?

De numadeletra a 20.07.2012 às 19:46

Leve mas divertido. Gostei.

Claro que, tendo-o visto no Teatro Rivoli e no âmbito da cerimónia de encerramento do Fantasporto, sou um pouco suspeita...

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags