Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Como se pode ver, continuo na minha rota da antiguidade greco-romana. Depois de Eu, Cláudio, parti logo para o segundo volume que é ainda mais denso e detalhado do que o primeiro. Em termos de historiografia é, de facto, um livro espantoso. Mas, em termos literários, este segundo volume não é tão bom como o primeiro. Talvez Robert Graves entre demasiado em detalhes que ficam bem numa obra de outro tipo mas que, num romance, se tornam cansativos.

De qualquer forma, este é o livro a ler para se conhecer o imperador Cláudio, é aqui que finalmente se conta o seu "reinado". Mas há também o rei Herodes que alcança um protagonismo elevado. No início, aliás, Cláudio começa por contar a história de Herodes antes de entrar na sua própria história. O passado continua bem presente porque Cláudio aproveita todos os pretextos para contar e explicar o que vai acontecendo. Por isso, muito do "reinado" de Caligula também está neste livro. E mesmo Tibério e Augusto reaparecem frequentemente quando é preciso contextualizar algum acontecimento.

Os dois livros desta "série Cláudio" são um retrato prodigioso. De forma alguma são apenas um retrato do imperador Cláudio, ele é apenas o pretexto para contar a história das primeiras décadas da Roma imperial. Há imensos livros que contam histórias de Roma. Os de Steven Saylor, por exemplo, são muito interessantes. Mas isto que Robert Graves faz aqui é algo de extraordinário. Espanta-me o sucesso que os livros tiveram. É que é preciso estar muito interessado no tema para conseguir lê-los. Se bem que isso é muito mais verdade para o segundo livro. O primeiro é muito mais "fácil". E, portanto, não espanta que tenha tido muito mais sucesso.

No final do livro, a morte de Cláudio é contada através de textos de historiadores antigos (entre eles, Suetónio). E lendo estes textos percebe-se a profundidade do trabalho de Robert Graves.

Finalmente, um brinde, um texto de Séneca que eu nunca tinha encontrado em português mas que aparece no final deste livro como uma espécie de anexo. Trata-se do famoso Apocolocyntosis, uma sátira sobre Cláudio.

Depois de Cláudio virá Nero. Pelo que consegui apurar, o livro a ler talvez seja o Memórias de Agripina, de Pierre Grimal. Depois conto... 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags