Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Acabei há pouco de ler O Teu Rosto Será o Último e estou profundamente impressionado. Acho mesmo que, na literatura portuguesa, não me sentia assim desde que li esse fenomenal livro que é O que diz Molero.

Primeiro, a forma e o estilo são invulgares, até um pouco incomodativos nas primeiras páginas. Parece insegurança, confunde-se uma maneira diferente de colocar as palavras e as ideias, com hesitação. Mas com o avançar das páginas percebe-se que não. Percebe-se que tudo ali foi medido, ponderado, que houve uma procura que resultou num equilíbrio notável num texto que é, em muitos aspetos, desconcertante em termos formais. Ora as vírgulas abundam, ora as frases são tão curtas que nem há espaço para uma. Ora há repetições de nomes ou de atributos dos personagens, ora há a ausência de indicação de quem é quem. Tudo, repito, meticulosamente escolhido e posto no seu lugar próprio.

A história, essa, passa, durante algum tempo, para segundo plano. Parece que é mais interessante experimentar ler um texto escrito assim do que saber o que ele está a dizer. Mas depois também isso muda. Os capítulos que parecem fragmentos, quase contos, começam a ter linhas entre eles. Começamos a descortinar quem são os protagonistas, as relações que há nas três gerações da família que ocupa o centro do romance. Tudo se vai tornando mais interessante. E talvez seja aí, quando estamos prontos, imersos no livro, já em velocidade de cruzeiro na leitura, que João Ricardo Pedro resolve fazer com que o seu livro voe mais alto do que tantos outros. O capítulo que muito se tem falado - A mãe e o fim da União Soviética - das frases curtas é, efetivamente, notável. Aquilo que ali está parece tão básico, tão simples e é, afinal, tão difícil. Trata-se de escrever de forma aparentemente alucinada e descontrolada quando, mais uma vez, tudo aquilo é equilíbio e contenção.  E é musicalidade, o que num livro que tanto fala de música, só pode ficar bem. Mas o melhor é que este não é o melhor capítulo do livro, é apenas notável, há melhor, há muito melhor, há esse capítulo que, se fosse um conto, faria calar muitos livros completos, é o momento sublime - o professor de piano e a pintora misteriosa - que é, para mim, o centro deste livro, o seu coração e o seu cérebro. Tudo para ali converge, de alguma forma. E, porém, podia ler-se sem ler o resto do livro e, acredito, seria, mesmo assim, compensador.

Mas não há livros perfeitos e este livro é demasiado concreto, e demasiado bom, para querer ser algo diferente disso mesmo - um livro. E é um livro onde há soluções engenhosas em grande parte dos casos mas há também o recurso fácil e abusivo a palavrões. Aqui e ali justificam-se mas, na maior parte dos casos, parecem uma solução preguiçosa para sublinhar. E de um autor que mostra uma capacidade tão grande de surpreender na escolha das suas soluções, surpreende esta escolha fácil e empobrecedora do texto.

Por outro lado, fiquei com a sensação de que há demasiadas coisas que ficam por dizer ou explicar, que o tamanho do livro estava determinado e que nem sempre se deixou fluir convenientemente. Sinto demais a procura do efeito.

Também temo que este estilo seja tão específico que, um segundo livro escrito assim, possa parecer-se demasiado com este.

E, sinceramente, não sei como concluir isto, talvez sendo simples: que grande livro!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

De 222 a 10.05.2012 às 23:53

depois deste texto, vou mesmo ter de ler!

De numadeletra a 14.05.2012 às 12:19

Já tinha colocado este livro na lista dos que vou comprar na Feira do Livro do Porto, que não tarda a começar. Ainda bem, porque o Pedro ainda me deixou com mais vontade de o ler!

De adignidadedadiferenca a 20.05.2012 às 01:46

Uma bela análise. Fiquei com vontade de ler o livro. Fora do contexto; uma pequena sugestão para a leitura deste livro extraordinário: http://adignidadedadiferenca.blogs.sapo.pt/147492.html

De pedrices a 21.05.2012 às 18:19

Tenho imensa curiosidade! Nunca li Saul Bellow e esse lvro, que tenho visto nas livrarias, parece-me muito, muito bem... Um destes dias...

De Miguel a 22.05.2012 às 10:31

Olá caro Pedro,

Tenho vergonha de ainda não ter comprado este livro, que tanto tem feito gastar tinta e teclas... :)

Depois de mais uma opiniao positiva como esta, só posso ir correr até à livraria mais próxima!

Abraço e boas leituras

De marcia a 23.05.2012 às 01:08

Adorei este livro. Li-o num dia! Talvez seja a buso mas não resisto a deixar o link da minha opinião. Espero que não leve a mal pela partilha:
http://planetamarcia.blogs.sapo.pt/445539.html

De pedrices a 23.05.2012 às 10:07

Pelo contrário, fico muito contente por partilhar.

Já li e gostei muito

Obrigado

De marcia a 24.05.2012 às 00:59

Obrigada eu!

De 222 a 03.07.2012 às 22:02

Acabei de ler. Uma pérola. Curiosamente, também me apercebi, durante a leitura, que já não me sentia tão entusiamado a ler um livro de um autor luso desde o Molero, de D. Machado. E foi tão bom.

Comentar post



calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags