Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Este texto conta o final do livro – não é aconselhável a quem ainda não leu.
 
Quando se lê um livro destes, a única coisa que está errada é sempre não o termos lido antes. É quando se lê um clássico que se percebe porque é que ele o é. Há tanta vida numa obra como esta que quase nos perguntamos como pode isto ser ficção. Anna Karenina é uma personagem extraordinária da literatura. E, no entanto, ao ler-se, nada de particularmente grandioso parece estar a acontecer. Até que nos apercebemos que é como na vida - tudo tem consequências, e o que pode acontecer, acontece mesmo. Mas isso é vulgar, é o que se passa em todos os livros, podem dizer-me. E sim, é verdade. Mas aqui há um pouco mais do que isso. Há livros que vivem atrás da história que contam, que vivem para ela, que se organizam em função de um efeito, de uma ação. Aqui, sinto-o, é diferente. Este livro está tão cheio de vida, tão cheio de realidade que aquilo que nele acontece ultrapassa a ficção. 
Tenho por aí uns posts onde falo de Tolstoi e de como ainda não li nada dele que me fizesse perceber o quão grande ele é. Talvez eu seja injusto em relação ao Ivan Illich, talvez me falte perspetiva histórica. Mas este é indiscutivelmente um desses grandes, enormes, livros, que só um grande, enorme, escritor pode escrever.
A parte chata disto é que se calhar não vou mesmo poder escapar a um dia pegar nos quatro grandes… enormes… volumes do Guerra e Paz.
 
Mas, voltando a Anna Karenina, o que faz desta obra, afinal, algo de tão especial? Pois não sei, claro que não sei. Apenas posso dizer que são muitas coisas. E claro que são necessariamente muitas coisas que podem ser muito diferentes  daquilo que interessa a outros leitores. Por isso, o que se segue é uma visão pessoal, que se demite de querer ser exaustiva e completa.
 
Começo por dizer que Anna Karenina é um caso de destruição da personagem. No início, ela aparece como a grande amiga, a mulher inteligente e cheia de iniciativa, a confidente, a mãe competente, enfim, uma mulher que todos gostaríamos de conhecer. Depois, à medida que os acontecimentos se vão desenvolvendo, Anna vai-se tornando mais vulgar, talvez até um pouco desprezível.
O grande acontecimento na vida de Anna é o facto de se apaixonar terrivelmente por Vronski. A paixão é de tal forma intensa que o próprio filho é relegado para segundo plano. E este é um dos pontos mais impressionantes, a mãe extremosa, a mulher exemplar, é capaz de abdicar do seu próprio filho. Quem pode olhar para uma mulher coma a mesma admiração depois disto? E é aqui que este romance começa a ser tão extrordinário, porque não invectiva contra Anna, apenas descreve, mas fazendo o leitor tomar consciência dos pensamentos de Anna, vai perturbando de forma decisiva. Anna viaja, ganha uma vida nova junto do seu companheiro. Num momento de fraqueza revê o filho, pede para o ver ainda mais uma vez. De mulher decidida, forte e apaixonante, torna-se descontrolada e neurótica.
 
O que mais me impressionou na história de Anna acabou por ser o seu desfecho. E impressionou-me mais porque eu já sabia o que iria acontecer. Passo a vida a tentar evitar saber demais sobre o que ainda não vi ou li mas, por um grande azar, li, num outro livro qualquer, uma alusão ao facto – atenção, vou contar - de Anna se suicidar, atirando-se para baixo de um comboio. Li todo o livro sabendo disto, e incomodado por saber. Mas nunca consegui prever quando aconteceria. Mesmo quando ela estava na estação, e eu sabia que teria que ser ali, continuava a não perceber porquê. Até que, aconteceu, Anna Karenina saíu do papel e, à minha frente, tornou-se humana, tão humana que cometeu um ato de loucura, tão incoerente e precipitado como só alguém de carne e osso poderia cometer. E, no entanto, eu sei que é só um livro. Mas é nisso que Tolstoi mais me impressionou, nessa capacidade de fazer os personagens “saltarem” para fora do livro.
 
 
Mas Anna Karenina não é um romance apenas sobre Anna. Talvez até seja menos sobre ela do que sobre Lievin, o outro grande protagnista da obra. Na verdade, os dois praticamente não se cruzam e as suas histórias vão sendo contadas em paralelo. Lievin é o personagem mais complexo e mais estimulante, do ponto de vista intelectual, que podemos encontrar neste romance. Lievin leva-nos a conhecer uma envolvente história de amor, a do seu percurso desde se apaixonar por Kitty e ser rejeitado por ela (curiosamente porque Kittty tinha a expetativa de se vir a tornar mulher daquele que iria ser o amante de Anna), até ao casamento e a forma como este vai evoluindo.
 
Lievin é alguém que faz um verdadeiro “percurso” ao longo da obra. A sua busca existencial, os seus debates consigo próprio e com terceiros, a suas dúvidas e angústias, a forma como o que lhe acontece na vida se reflete na forma como pensa, tudo isto torna Lievin o personagem mais “vivo” que já tive a oportunidade de “conhecer”. Debatendo-se com o sentido da vida, Lievin refete sobre o que viria a ser o ideário comunista ou socialista, sobre a fé e/ou a ciência,  e podia ser qualquer um de nós a pensar sobre os mesmos assuntos. Mas particularmente interessante é que Lievin consegueefetivamente chegar a conclusões e evoluir no seu pensamento, não sem ter que se confrontar com a indiferença dos outros, a vida real, em toda a sua intensidade, não dá tréguas a estes personagens.
 
O encontro entre Lievin e Anna acaba por acontecer. E é um dos grandes momentos do livro. Anna volta a ser fascinante e Lievin volta a ter em que pensar. A grandeza que certas pessoas deixam à sua passagem talvez nunca deixe de brilhar. A partir deste enconto, a história poderia evoluir em várias direções, parece que tudo pode acontecer, mas, afinal, tudo prossegue sem grandes novidades. Mais uma vez, tal como na vida.
 
Enfim, não é fácil dizer que este livro deve ser lido, que é altamente aconselhável. Nada disso. Este livro é simplesmente imprescindível.

 

P.S. Não posso deixar de dizer que li a tradução de José Saramago. Exemplar, pois claro.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De 222 a 15.12.2011 às 00:44

"Todas as famílias felizes..." diz ele, e fez história. E pois claro que é mesmo um clássico, intemporal; mais que um simples livro, mais do que uma simples história (porque, no fundo, é uma história muito simples). A tradução está à altura, sim. Gostei de ler a tua opinião. Fico à espera dum post sobre a famosa Guerra.

De Desentupimentos | Desentupir Canos a 15.12.2011 às 18:27

Excelente! Muito obrigado por partilhar!

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags