Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



2016

30.12.16

Como este ano quase não houve posts, fica aqui a lista dos meus destaques de 2016

 

Em Busca do Carneiro Selvagem e Dança, Dança, Dança - finalmente, reencontrei o Murakami de que mais gosto. Estes dois livros foram leituras compulsivas, cheias de encanto e entusiasmo

 

A Sala de Vidro, de Simon Mawer - Uma casa que é uma personagem, a arquitetura como protagonista. A Europa a ficar feia e uma casa que assiste a tudo. O meu grande livro de 2016.

 

Crónicas do Mal de Amor, de Elena Ferrante - não se sai inteiro da escrita desta senhora. Até me sinto intimidado para me lançar nos outros livros. Mas fica marcado o encontro para 2017.

 

Hotel Sunrise, de Victoria Hislop - uma surpresa enorme. Um livro que me serviu de introdução ao Chipre para onde viajei este ano (junto com a Grécia, claro). E foi realmente a melhor leitura que podia ter feito. Estava à espera de literatura completamente light e saí rendido ao talento para cruzar a ficção com a história de um país.

 

Os Sonâmbulos, de Cristopher Clark - melhor livro que já li sobre a 1ª Guerra Mundial. Pormenorizado, intenso, compulsivo. E capaz de mudar a visão que me habituei a ter sobre o conflito.

 

Cidade Aberta, de Teju Cole - se soubesse escrever assim, este é o livro que eu escrevia. Isto é que é divagar e ter mesmo o que contar.

 

Mas este ano também me trouxe o Netflix e uma “série de séries” que vi de fio a pavio com imenso entusiasmo:

 

Orange is the New Black - a vida numa prisão feminina, cheia de peripécias. Está a ficar cada vez mais negra, de temporada para temporada, e cada vez mais interessante.

 

How I Met Your Mother - sim, sim, é uma série cheia de parvoíces. Mas encanta-me as estratégias narrativas que desafiam e baralham. Fica a impressão de que não sabem contar uma história de forma linear, e isso é o melhor.

 

Suits - esta bateu mesmo. Nem sei bem porquê mas há personagens fascinantes e uma intriga ao estilo escritório de advogados que é muito mais sofisticada que aquilo que estava habituado.

 

OA - estreou há poucas semanas. Ainda só tem uma temporada. Mas gostei tanto, tanto, que nem sei explicar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje foi anunciado que a Cornucópia vai fechar. É devastador ver uma companhia de teatro morrer. Especialmente uma como esta. Não posso deixar de me sentir um pouco culpado, por tanto anos sem lá voltar.

Não sei já dizer quantas peças lá vi, nem quais. Mas lembro-me de que o mais impressionante espetáculo que vi em cima de um palco foi lá, a Afabulação de Pasolini foi tanto um murro num estômago como um contacto com o sublime. No final, lembro-me que me apetecia aplaudir de joelhos em vez de ser de pé.

Espero que ainda se resolva.

Autoria e outros dados (tags, etc)


calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags