Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um dos primeiros posts do pedrices foi sobre este autor. E desde aí que ando para voltar, coisa que só aconteceu agora e com um pequeno livro. Aliás, o problema, para quem leu o Meio-Irmão, é precisamente esse, ser tão pqueno.  São cerca de 140 páginas para conhecermos Herman, um rapaz de uns onze anos, que nos encanta pela forma genuína como somos transportados para o seu universo. Depois de o conhecermos, o livro acaba sem que o possamos continuar a acompanhar. O que é uma pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gosto muito deste escritor mas gostei muito pouco destes livros.

A Filha de Agamemnon é interessante mas tão curto que fica aquém do que se esperaria. É um livro que pretende trazer o sacrifício de Ifigénia para uma Albânia comunista e ditatorial. Até consegue mas… e depois?

Bom, depois vem o segundo livro, escrito uns 20 anos mais tarde e que abandona um pouco o tom de regresso aos mitos gregos mas que nãoo sustenta nada de verdadeiramente interessante. Ou talvez só o fosse se eu conhecesse um pouco de hitória albanesa, coisa que não acontece. Mas o que eu noto é que num outro livo, O Palácio dos Sonhos, Kadaré foi capaz de me ensinar , de forma metafórica e indireta, muito mais do que nestes livros em que até é direto e, algumas vezes, radical.

Enfim, declaro a minha incapacidade para "acompanhar" estes livros. Mas quem nunca leu Kadaré não deve perder o Abril Despedaçado (e, por favor, não pensem que ao ver o filme vão saber algo sobre o que é esse livro). Quem conhecer a história da Albânia também vai provavelmente perceber o quanto este livro é bom e eu não sei…

Autoria e outros dados (tags, etc)

(Juro que é verdade: muitas vezes, durante as primeiras 200 páginas, dei por mim a pensar que este livro, que é de história, estava incrivelmente bem escrito. Até que cheguei à parte em que se fala de Atenas e do Pártenon. Fiquei tão encantado com a prosa que fui à procura de quem seria o tradutor. O pior é que eu sabia perfeitamente mas… tinha-me esquecido. Pois, é José Saramago. Portanto, como se vê, a minha obsessão com ele é mesmo uma coisa genuína...)

 

Sobre o livro propriamente dito, é difícil ter palavras para um monumento destes. É fantástico como introdução, é notável como análise aprofundada. E, ainda por cima, está cheio de elementos que fazem pensar. Poque não é um livro que se limita a descrever. Tem opiniões, faz pensar, chega a irritar, destrói ideias feitas e traz outras. Por exemplo, a sociedade grega como uma sociedade esclavagista é algo que, muitas vezes, é relagado para segundo plano. Bonnard dá a esse facto não só o destaque que ele merece como analisa as suas consequências. E não deixa de nos obrigar a olhar para Platão ou Aristóteles como defensores da escravatura...

É um trabalho colossal, com momentos desequilibrados mas intensamente interessante. Os capítulos podem ser lidos de forma isolada e acho que serão tão compensadores como lendo o livro na íntegra (e são umas 750 páginas...).

Tenho a sensação de que me aproximei muito mais da Grécia como ela era do que em qualquer outro livro. Mas, ao mesmo tempo, é curioso como esta não é uma história propriamente narrativa e cronológica (embora também o seja). Aqui faz-se uma viagem pelas realizações, descobertas e experiências da Grécia antiga. Cada capítulo aborda uma experiência. E do ponto de vista do leitor parece que se está a contactar com a origem de muita coisa que hoje se (re)conhece. Um dos aspetos em que Bonnard é mais brilhante á na análise da literatura grega (que é tão mais que apenas literatura!). Não se pode passar por aqui sem querer ir lera a Ilíada ou as tragédias de Ésquilo e Sófocles. Aliás, tenho que reler a Antígona, tenho que ler a Oristeia, tenho que experimentar Eurípedes, tenho que ver as Odes de Píndaro, tenho que ler uns poemas de Safo, espreitar Os Argonautas, reler diálogos de Sócrates e A República de Platão. Tenho que finalmente dar uma olhadela em Aristóteles...

Tenho tanto para fazer depois deste livro que… o melhor é mesmo ir à Grécia. Ainda bem que foi esse o destino que escolhi este ano. Ainda bem que li este livro antes de ir!

 

Pena que ainda falte quase um mês...

Autoria e outros dados (tags, etc)

 É difícil pôr em ordem as ideias sobre este livro. Vou tentar em tópicos:

  • Não é fácil entrar na vida deste Eduardo, um rapaz que lia Rimbaud e que, provavelmente, para além disso não fez mais nada de interessante na vida. E é a falta de interesse desta existência que a torna cativante enquanto objeto de atenção literária.
  • O autor, que eu desconhecia em absoluto, compõe um retrato sem concessões do que é o abismo de um Eduardo mal tratado quando criança que não se liberta, nem quer libertar-se, acho eu .
  • Uma leitura terrível, devo dizer… Muito bem conseguido em termos de linguuagem mas cruel, desconfortável, duro. Um livro indigesto mas que é uma obra a considerar quando se quer pensar um pouco naquilo que alguns de nós deixam de ser. Ou aquilo em que nos podemos transformar quando abdicamos de uma certa diginidade.
  • É um livro ótimo para ouvir The Cure. Coloque-se a tocar Watching Me Fall e, a partir daí, ouça-se a Trilogia toda.
  • É pena é que eu não possa sentir grande pena do Eduardo. Apesar de um final arrepiante e poderoso, a verdade é que estou-me bastante nas tintas para ele. Um rapaz que, apesar de ler Rimbaud, se deixou transformar numa sombra. Não por opção mas por resignação niilista, não porque os pais o tenham maltratado mas porque, quando se livrou deles, se revelou o pouco que ele era.
  • As personagens para além do Eduardo parecem ter apenas uma dimensão - sexo. O que é pouco, num livro deste tipo.
  • O autor diz que só assim entende a literatura. Que choca, que inquieta, que altera (entrevista http://ipsilon.publico.pt/livros/entrevista.aspx?id=306386 ). Concordo, especialmente quando altera. Mas não é o caso, aqui choca, o que não é necessariamente bom, e não é sempre bom. Também inquieta, o que é um bocadinho melhor porque a inquietação é, muitas vezes, o antídoto do niilismo. Mas não me parece que algo mude. Isso é para outros livros. Este é só mais um, nessa longa história de livros que saltam constantemente entre a linha que separa o que é muito bom  e muito válido, e aquilo que é mais vistoso do que concreto.

Enfim, é uma leitura. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

In O Rapaz que Lia Rimbaud, de Manuel António Araújo, pp. 102-3

E pensou. Pensou no fascínio dos suicidas, nas pontes, nos viadutos, nunca pensou no mar, nem no rio, não pensou nas mortes calmas, nas mortes em que é preciso caminhar para se morrer; nunca se mataria como Virginia Woolf.

Autoria e outros dados (tags, etc)

In A Caverna, de José Saramago 

(…) de qualquer modo barco parado não faz viagem, suceda amanhã o que suceder há que trabalhar hoje, quem palanta uma árvore também não sabe se virá a enforcar-se nela (…)

(…) É difícil pensar quando não se sabe, Discordo, pensa-se precisamente porque não se sabe (…)

(…) Diz-se que o tempo tudo cura, Não vivemos bastante para lhe tirar a prova, disse Cipriano Algor (…)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pausa

17.08.12

Não foram ainda as esperadas férias "grandes". Para essas, ainda falta um mês, foi apenas uma pequena pausa. Fiquei surpreendido com um Algarve menos conhecido e mais genuíno - Tavira, Santa Luzia, Cacela Velha, as praias às quais só se chega de barco…

Aproveitei para voltar a ler Kadaré - o post está para sair. E para continuar as minhas incursões no mundo greco-romano. Desta vez com O Mediterrâneo Arcaico, de Michel Gras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há uns anos, li um livro deste autor e deixei aqui umas notas:

http://pedrices.blogs.sapo.pt/11318.html

Dizia eu que tinha que o acompanhar. Demorei muito, como se vê. Mas lá voltei a ler Karnezis. Muito do que escrevi sobre O Labirinto podia ser repetido agora. No entanto, A Festa de Anos debruça-se sobre a vida de um milionário. Durante mais de metade, o livro é de leitura absorvente e empolgante. Depois perde interesse. Mas admito que seja uma coisa pessoal. Não tenho grande paciência para histórias sobre gente imensamente rica que passa  a vida em iates e vive numa ilha privada (deve ser da inveja...). De qualquer forma, gostei de ler, mas não é tão memorável como O Labirinto. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma conversa entre avô e neto:

in Herman de Lars Saabye Christensen

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ainda antes de ontem falei dele... e hoje morreu. O Camões, o cão que inspirou o Achado, o meu personagem preferido do romance A Caverna (que ando a reler).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



calendário

Agosto 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags