Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Alain de Botton é um daqueles escritores que parecem saber estar sempre bem. Os livros não são demasiado profundos mas não são superficiais. Tocam nos domínios da filosofia mas trazem-na para um terreno prático. Têm como objetivo tornar a vida das pessoas melhor, mas não são a auto-ajuda da treta. Enfim, uma combinação interessante.

Este Status Ansiedade é um livro que parece não encontrar muito bem o seu verdadeiro centro. Vai andando de um lado para o outro, dando informações interessantes. Às vezes tem uns rasgos e eleva-se, outras vezes perde-se sem saber o que quer. Não é, portanto, um livro tão bom como A Arte de Viajar que, apesar de também ter uma estrutura complexa, sabe bem qualço seu destino. Este Status Ansiedade quer falar sobre essa coisa de nós nos centrarmos demasiado naquilo que os outros pensam de nós. E fala, mas de forma desordena. Numa primeira parte é apresentado o problema. Na segunda, são apresentadas as soluções. Mas nada disto é estruturalmente convincente, embora seja sempre agradável de ler.

Enfim, abaixo do que eu esperava. Mas muito com muito mais conteúdo do que qualquer um desses livros que vendem milhares (ou milhões) sem dizerem nada de substancial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Tenho gostado de ver o alvoroço que os poemas de Gunter Grass têm provocado, pelo menos na Alemanha.

 

Não que concorde com as suas mensagens, até acho que o último defende a Grécia com argumentos pré-históricos. Mas há qualquer coisa de fantástico ao ver que um poema ainda causa impacto. Que um prémio Nobel ainda faz poesia, e a publica num njornal, como forma de intervenção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Está quase. No próximo dia 14 de Julho vamos ter os The Cure no Festival Optimus Alive. A tour começou ontem e aqui fica o alinhamento:

Plainsong

Pictures Of You

High

The End Of The World

Lovesong

Push

Inbetween Days

Just Like Heaven

From The Edge Of The Deep Green Sea

The Hungry Ghost

Play For Today

A Forest

Bananafishbones

Lullaby

The Walk

Mint Car

Friday I'm In Love

Doing The Unstuck

Trust

Want

Wrong Number

One Hundred Years

Disintegration,

 

Encore1

The Lovecats

Close To Me

Let's Go To Bed

Sleep When I'm Dead

Why Can't I Be You

Boys Don't Cry

Primeiro comentário:  Só um encore?? Nãooooooooo… Depois do concerto enoooorme no Atlântico, em 2008, não podem fazer menos que isso!

Em relação ao resto: o início é o mais perfeito de todos os possíveis - Plainsong. Que, desta vez, vem com as Pictures e High logo a seguir, a lembrar os concertos a seguir ao Wish :). Nem acredito que vão tocar o Mint Car, música relativamente parvinha mas com uma letra irresistível e que sempre achei que nunca poderia ver ao vivo mas que havia de me divertir muito se pudesse. E o Want que adoro! E, claro, a suprema FTEOTDGS também lá está…

O encore é que não é lá grande coisa. Mas vai saber bem depois de um fecho com 100 Years e Disintegration que são de deixar qualquer um arrasado.

Vou estar atento aos alinhamentos dos próximos para ver quais são as músicas que rodam. Há sempre umas que mudam de um para outro.

E parece que ainda não é desta que vou poder ouvir o The Figurehead ao vivo… Bom, mas se me pusesse a falar do que falta nunca mais parava...

Eu quero cantar isto ao vivo!!!!:

The sun is up

I'm so happy I could scream!

And there's nowhere else in the world I'd rather be

Than here with you

It's perfect

It's all I ever wanted

I almost can't believe that it's for real

http://www.youtube.com/watch?v=iulrtFmrtgU

Autoria e outros dados (tags, etc)

E agora para algo completamente diferente: um livro de banda desenhada. Não percebo nada do assunto porque, para além dos tio patinhas da infância, pouco mais li. Mas tinha ouvido falar bem deste Blankets e, há uns dias, numa livraria, peguei-lhe e comecei a ler. A história é comovente e empolgante. Um rapaz que vive num ambiente familiar nada simpático e uma história de amor que os desenhos (a preto e branco) transformam em algo sublime.

Nunca tinha pensado nisto mas os desenhos podem conferir uma dimensão nova à literatura. É claro que o texto não é "literário" mas é tão agradável que fiquei  rendido.

Ainda por cima, até uma música dos The Cure aparece...

Lindo. Absolutamente lindo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ora aqui está um livro de aventuras, não obstante ser muito mais do que isso, que é verdadeiramente entusiasmante quando, diria eu  à partida, tem tudo para ser uma enorme chatice.

Numa primeira parte, hilariante, conhecemos Pi e parte da sua vida. Trata-se de um pequeno rapaz que se deixa seduzir pela religião… quer dizer, por três religiões, e ao mesmo tempo, o que nos leva a uma das mais divertidas e acutilantes comparações que já tive oportunidade de ler.

Conhecemos também um pouco do que é a vida dos animais num jardim zoológico. E Martel parece uma espécie de psicólogo de animais, tal é a forma detalhada como nos conta o que se passa nas suas cabeças. Pode ser polémico, mas está admiravelmente bem construído.

A segunda parte torna tudo completamente diferente. E a história passa a centrar-se numa circunstância trágica a a forma como Pi vai lidar com ela - eu não quero mesmo dizer nada. Eu não sabia e foi fantástico ler o livro assim. Por isso, também não digo o que acontece.

A terceira parte, com o seu quê de metafísico e, se calhar, até de meta-ficção, deixou-me um bocado desiludido. Mas são poucas páginas no contexto de um livro absolutamente delicioso e divertido.

E é sobre quê? Não é só não querer dizer.. É que é um daqueles casos em que o leitor faz o livro. Mas só os bons livros se prestam a isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Acabei há pouco de ler O Teu Rosto Será o Último e estou profundamente impressionado. Acho mesmo que, na literatura portuguesa, não me sentia assim desde que li esse fenomenal livro que é O que diz Molero.

Primeiro, a forma e o estilo são invulgares, até um pouco incomodativos nas primeiras páginas. Parece insegurança, confunde-se uma maneira diferente de colocar as palavras e as ideias, com hesitação. Mas com o avançar das páginas percebe-se que não. Percebe-se que tudo ali foi medido, ponderado, que houve uma procura que resultou num equilíbrio notável num texto que é, em muitos aspetos, desconcertante em termos formais. Ora as vírgulas abundam, ora as frases são tão curtas que nem há espaço para uma. Ora há repetições de nomes ou de atributos dos personagens, ora há a ausência de indicação de quem é quem. Tudo, repito, meticulosamente escolhido e posto no seu lugar próprio.

A história, essa, passa, durante algum tempo, para segundo plano. Parece que é mais interessante experimentar ler um texto escrito assim do que saber o que ele está a dizer. Mas depois também isso muda. Os capítulos que parecem fragmentos, quase contos, começam a ter linhas entre eles. Começamos a descortinar quem são os protagonistas, as relações que há nas três gerações da família que ocupa o centro do romance. Tudo se vai tornando mais interessante. E talvez seja aí, quando estamos prontos, imersos no livro, já em velocidade de cruzeiro na leitura, que João Ricardo Pedro resolve fazer com que o seu livro voe mais alto do que tantos outros. O capítulo que muito se tem falado - A mãe e o fim da União Soviética - das frases curtas é, efetivamente, notável. Aquilo que ali está parece tão básico, tão simples e é, afinal, tão difícil. Trata-se de escrever de forma aparentemente alucinada e descontrolada quando, mais uma vez, tudo aquilo é equilíbio e contenção.  E é musicalidade, o que num livro que tanto fala de música, só pode ficar bem. Mas o melhor é que este não é o melhor capítulo do livro, é apenas notável, há melhor, há muito melhor, há esse capítulo que, se fosse um conto, faria calar muitos livros completos, é o momento sublime - o professor de piano e a pintora misteriosa - que é, para mim, o centro deste livro, o seu coração e o seu cérebro. Tudo para ali converge, de alguma forma. E, porém, podia ler-se sem ler o resto do livro e, acredito, seria, mesmo assim, compensador.

Mas não há livros perfeitos e este livro é demasiado concreto, e demasiado bom, para querer ser algo diferente disso mesmo - um livro. E é um livro onde há soluções engenhosas em grande parte dos casos mas há também o recurso fácil e abusivo a palavrões. Aqui e ali justificam-se mas, na maior parte dos casos, parecem uma solução preguiçosa para sublinhar. E de um autor que mostra uma capacidade tão grande de surpreender na escolha das suas soluções, surpreende esta escolha fácil e empobrecedora do texto.

Por outro lado, fiquei com a sensação de que há demasiadas coisas que ficam por dizer ou explicar, que o tamanho do livro estava determinado e que nem sempre se deixou fluir convenientemente. Sinto demais a procura do efeito.

Também temo que este estilo seja tão específico que, um segundo livro escrito assim, possa parecer-se demasiado com este.

E, sinceramente, não sei como concluir isto, talvez sendo simples: que grande livro!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Em Julho de 2009 escrevi um comentário sobre o Hotel Memória, do mesmo autor.

 

http://pedrices.blogs.sapo.pt/14917.html

 

 E hoje poderia dizer exatamente o mesmo sobre este As 3 Vidas.

 

Acho que isso não é inteiramente bom… Nem inteiramente mau…

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sempre me interessei moderadamente pela história do império Romano. Quer isto dizer que sei o básico, conheço os imperadores mais importantes, e pronto. Sempre me senti mais atraído pelos gregos, até mesmo pelo império otomano. Não obstante, de vez em quando, lá me dedico a ler umas coisas sobre Roma.

 

Agora, já não é bem assim...

 

Este livro, que deu origem a uma série histórica da BBC, que fui vendo ao longo da leitura do livro, é a melhor introdução a Roma que eu podia desejar. Fucniona exemplarmente a vários níveis: 

 

  • Em termos narrativos, o estilo é altamente entusiasmante. A linguagem mantém quase sempre um tom rigoroso e sóbrio mas de quem conta uma história com entusiasmo. A pontos de se querer virar rapidamente a página para ver o que acontecerá a seguir. A história romana está cheia de momentos assim, dir-se-ia, portanto, que é normal. Devia ser. Mas já li textos absolutamente enfadonhos. Este é brilhante a esse nível.

 

  • Rigor histórico. Tanto quanto me posso aperceber, é bastante bom, até porque na história não há certezas.

 

  • Estrutura. Este livro aborda toda a história do império. São muitos séculos para um livro só - especialmente para um com pouco mais de 300 páginas. O autor escolhe então 6 pontos decisivos e aborda-os com algum detalhe. São os pontos-chave da história de Roma, permitindo ao leitor um ponto de partida sólido para outras leituras. 

Em relação à série… Bom, série sobre Roma... é a outra, aquela que se chama Roma e que é extraordinária. Mas a comparação é injusta porque essa era uma série ficcional (ou pelo menos mais dada a liberdades) e esta pretende ser um documentário mais rigoroso. Há um problema óbvio na escolha dos atores e muita coisa muito mal feita. Enfim… serve para ilustrar o livro, consolidar aquilo que se leu. Mas é muito fraca, especialmente sendo o livro tão bom.

Note-se que este comentário tem o meu próprio contexto pessoal. Para alguém que já saiba muito não creio que este seja um livro muito tão importante como para mim. É-o enquanto introdução. Neste momento, sei exatamente quais os aspetos que quero aprofundar e, em alguns casos, já sei exatamente o que devo ler. Por isso, este Roma foi precioso. A outra parte, a que só os bons livros conseguem, é que me despertou um entusiasmo que, antes, ainda não tinha sido despertado. Conclusão: neste momento não me interesso moderadamente por Roma, tou cheio de vontade de ler mais coisas! O Rubicão do Tom Holland, o Império do Steven Saylor, o Eu, Cláudio do Robert Graves… Como se não tivesse já uma lista de livros-a-ler suficientemente infinita… Obrigadinho...

Autoria e outros dados (tags, etc)


calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags