Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Este é bem capaz de ser um livro-sensação, especialmente por ter conseguido, sendo o autor estreante, arrebatar o Man Booker Prize. E a verdade é que este é um livro de sensações. Nele se mergulha na Índia contemporânea, bem no meio de todas as suas idiossincrasias. Já li muitos livros só por causa dessa vertente, a de me transportar para um cenário que eu não conheço, permitindo-me aprender dessa forma. Mas raras foram as vezes em que efectivamente aprendi mesmo, em que fui transportado para lá, para pequenos detalhes e para grandes traços. É esse o grande mérito desta obra.

O ponto de partida é surpreendente. O Tigre Branco é um empresário indiano e, sabendo que o primeiro-ministro da China vai fazer uma visita à índia, resolve escrever-lhe para lhe contar tudo sobre o seu país. Faz isto contando a sua história particular, o que não só é uma excelente forma de se compreender um certo espírito indiano, como ainda nos permite, pelas situações que ele observa, conhecer muito mais do que apenas a vida dele.

Adiga leva-nos a conhecer a Índia profunda e pobre e a Índia sofisticada e rica. Mostra-nos as possibilidades de ascensão social que existem e o imobilismo do sistema de castas. Denuncia a corrupção de certas classes e ilustra a honestidade de outras. O mosaico indiano não é só fascinante, é também quase impossível de retratar. Mas é isso que neste livro é conseguido de forma magistral. Não é pela escrita que esta é uma grande obra mas sim pelo que consegue fazer. Adiga cria um enredo que lhe permite falar de tudo sem que nos percamos no meio de toda a confusão que pode ser falar sobre a Índia. Para além disso, não se limita ao quotidiano das pessoas, ainda consegue acrescentar elementos que nos lançam pistas sobre o futuro. Numa altura em parece cada vez mais próxima a ascensão da Índia (e da China) como superpotência mundial, Adinga lança dados sobre essa questão, e não isentas de polémica. Por exemplo, apontar como desvantagem indiana, face à China, a democracia, é, no mínimo, uma atitude corajosa e que deveria obrigar mais a reflexão do que a indignação (porque são apontados os grandes defeitos e fragilidades da democracia indiana).

Em suma, este livro é excelente se o lermos de um ponto de vista de entretenimento. É excelente se o lermos enquanto documento sobre a Índia contemporânea. É excelente se o virmos como obra de ficção. Ah, e ainda pode ser lido como policial, com um assassino e tudo.

Há tantos livros que tentam ter dentro de si coisas a mais, Este, parece poder conter tudo e ainda lhe sobra espaço. Surpreende a sua pequena dimensão (cerca de 240 páginas).

Autoria e outros dados (tags, etc)



calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tags

mais tags